Subir

Método pilates: uma nova proposta em reabilitação física

AUTOR:
Brena Guedes de Siqueira Rodrigues
Fisioterapeuta
Contato: brenagsr@yahoo.com.br

O alemão Joseph Hubertus Pilates foi um indivíduo que em sua infância e adolescência, conviveu com uma série de problemas de saúde que o impediam de levar uma vida normal. Por isso, ele dedicou sua existência a tentativa de melhorar sua qualidade de vida. Dessa forma, passou a estudar com afinco a anatomia, a fisiologia e a cinesiologia do corpo humano e com o conhecimento que adquiriu, criou o hoje mundialmente conhecido e difundido método pilates.

A técnica existe há quase um século. Foi testada e aprovada durante a Primeira Guerra Mundial, quando Pilates teve a oportunidade de treinar seus colegas soldados e os ajudou a superar a epidemia de gripe daquela época. A partir de então, criou sua própria academia e passou a aplicar sua metodologia.

O método caracteriza-se por uma série de exercícios físicos, os quais buscam a harmonia entre o corpo e a mente, e têm sua origem no chamado estudo do controle ou contrologia. Isto é, é um treinamento físico e mental, que melhora a consciência corporal por trabalhar o corpo como um todo.

Pilates defende o trabalho do que denominou de “centro de força”, que é compreendido pelos músculos abdominais, paravertebrais inferiores (lombares) e os glúteos. Ele acreditava que esses músculos são responsáveis pelo equilíbrio estático e dinâmico do corpo humano, logo, uma vez fortalecidos, permitem a perfeita harmonia dos movimentos do corpo, assim como previnem uma série de distúrbios ortopédicos.

Sua filosofia é baseada nos seguintes princípios:

  • O Centro: o corpo tem um centro físico, onde se originam todos os movimentos, chamado de “powerhouse” (Centro de Força). Preconiza-se o reforço desse centro para promover a sustentação da coluna, dos órgãos internos e manutenção de uma boa postura;
  • Controle: o controle na execução de cada movimento alcança a harmonia da atividade motora, aprimorando também a coordenação motora.
  • Concentração: a execução dos movimentos deve ser realizada, mantendo-se uma total concentração no centro de força, além de observação atenta de cada movimento necessário para a realização dos exercícios, para que se obtenha uma boa conscientização corporal;
  • O Movimento: os movimentos realizados durante a execução de cada exercício devem respeitar a fluidez e a harmonia; 
  • Precisão: a precisão está diretamente ligada ao controle. Concentrando-se em cada etapa do movimento e conhecendo o corpo, é possível desenvolver o controle necessário para se obter a precisão de cada movimento;
  • Respiração: Pilates enfatiza a importância de manter os níveis de oxigenação da circulação sanguínea. Este é o resultado de uma respiração adequada durante os exercícios, oxigenando o sangue e eliminando os gases nocivos. No Método Pilates todos os exercícios são associados à respiração.

O método pilates se diferencia de outras atividades físicas e funciona como instrumento de reabilitação por dar ênfase a todos esses princípios. Além disso, soma-se a sua relevância no reequilíbrio muscular, isto é, por se tratar de exercícios que buscam o tensionamento e estiramento dos grupos musculares, em detrimento de força e potência. Nesse caso, busca-se promover o alongamento ou relaxamento de músculos encurtados ou tensionados demasiadamente e o fortalecimento ou aumento do tônus daqueles que estão estirados ou enfraquecidos. Portanto, diminui-se os desequilíbrios musculares que ocorrem entre agonistas e antagonistas e são responsáveis por certos desvios posturais e problemas ortopédicos e reumatológicos.

A melhora da postura é um dos pontos fortes do método. Além dos músculos do centro de força, é possível trabalhar os músculos estáticos e dinâmicos, profundos e superficiais, os quais são responsáveis pela manutenção da postura. Logo, uma vez reforçados, passam a ser utilizados de maneira correta, sem maior desgaste de energia.

Além disso, por se tratar de uma atividade que não impõe desgaste articular e cujo número de repetições de cada exercício é reduzido, promove-se a prevenção e/ou tratamento de certas patologias, especialmente as ocupacionais.

Os exercícios são realizados em aparelhos desenvolvidos pelo próprio Joseph (Cadillac ou Trapézio, Reformer, Wall Unit, Barrel, Combo Chair, bem como seus respectivos acessórios), em solo (conhecidos com MAT) e/ou com auxílio da Bola Suíça (Bobath). Os aparelhos utilizam molas como instrumentos de assistência e resistência a cada movimento e através deles é possível trabalhar todos os músculos do corpo, em todos as posições.

Assim como em outras técnicas de reabilitação, os exercícios são prescritos individualmente de acordo com os objetivos a serem alcançados pela terapia, da mesma forma que a freqüência com que devem ser realizados. Embora se preconize que a sessão tem duração de uma hora, cabe ao profissional saber dosar as atividades, para não sobrecarregar seu paciente. Especialmente porque os exercícios são realizados de acordo com a mecânica respiratória de cada um, tendo, portanto, durações diferentes para cada praticante.

Logo, o pilates é indicado quando a reabilitação de um indivíduo tem como objetivos:

      • O fortalecimento muscular localizado ou global;
      • O aumento da flexibilidade geral;
      • Correção de distúrbios da postura;
      • Melhora do equilíbrio estático e dinâmico;
      • Melhora da coordenação motora;
      • Dissociação de cinturas;
      • Alongamento axial;
      • Decoaptação de articulações periféricas;
      • Estimulação Proprioceptiva
      • Relaxamento muscular geral;
      • Melhora da capacidade respiratória;
      • Aumento da consciência corporal

Por todo seu conjunto, o pilates é hoje utilizado por fisioterapeutas como auxílio ao tratamento fisioterapêutico, nas mais diversas patologias ortopédicas, reumatológicas e respiratórias.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

APARíCIO, Esperanza; PÉREZ, Javier. O Autêntico Método Pilates – A Arte do Controle. Editora Planeta do Brasil: São Paulo, 2005;

BETZ, Sherri R. Modifying Pilates for Clients With Osteoporosis. IDEA Fitness Journal. abr 2005;

KOLYNIAK, I. E. G. G; CAVALCANTI, S. M. B; AOKA, M. S. Avaliação Isocinética da Musculatura Envolvida na Flexão e Extensão do Tronco: Efeito do Método Pilates®. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v.10, n.6, Niterói, nov/dec 2004;

PIRES, Daniela Cardoso; SÁ, Cloud Kennedy Couto de. Pilates: Notas sobre Aspectos Históricos, Princípios, Técnicas e Aplicações. Revista Digital. Ano 10, n.90, Buenos Aires, dez 2005.